Foto: Portal Notícia Capixaba

Queremos garantir uma aprendizagem eficaz e dar mais protagonismo aos nossos alunos

Foto: Portal Notícia Capixaba

Desde o dia 20 de fevereiro, quando as aulas tiveram início, cerca de 500 estudantes de Cachoeiro de Itapemirim estão vivendo uma nova experiência de aprendizagem. O município da Região Sul se tornou o primeiro de fora da Grande Vitória a adotar a metodologia da Escola da Escolha, que está sendo aplicada em duas unidades da rede municipal de ensino.

“Queremos muito oportunizar uma aprendizagem eficaz e significativa na vida dos nossos alunos, dando maior protagonismo a eles”, destaca o prefeito de Cachoeiro, Victor Coelho.

O novo modelo pedagógico foi adotado nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental Athayr Cagnin, no bairro Nossa Senhora de Fátima, e Julieta Deps Talon, no Zumbi, e segue o mesmo padrão das unidades de tempo integral da rede estadual – as Escolas Vivas. O Núcleo de Educação do Espírito Santo em Ação, junto com o Instituto de Corresponsabilidade pela Educação (ICE) e por meio de uma parceria com o Movimento Empresarial do Sul do Estado do Espírito Santo (Messes), é quem está transferindo a metodologia do sistema educacional para a secretaria de Educação do município.

E já existem planos para aplica-la em pelo menos mais uma escola de Cachoeiro, em 2020, como adianta o prefeito Victor Coelho nesta entrevista dada à equipe do Espírito Santo em Ação.

Por que Cachoeiro resolveu adotar a metodologia de Escola da Escolha na rede pública de ensino?

VICTOR COELHO – Essa é uma metodologia exitosa em 1.300 escolas no Brasil, ou seja, já temos excelentes exemplos. Além disso, também é uma iniciativa nas escolas do Estado (A metodologia da Escola da Escolha é aplicada em 36 unidades da rede estadual de ensino, as Escolas Vivas) e nossa equipe acompanhou e presenciou o retorno positivo, respaldando ainda mais a nossa decisão de aderir ao movimento.

Que resultado acredita que essa metodologia trará para os estudantes?

Essa metodologia trabalha com o protagonismo infantil, ou seja, a criança se torna também responsável pelo seu aprendizado. Isso faz com o que seu interesse aumente e, consequentemente, melhore seu desenvolvimento na escola. O aluno passa a ser envolvido na preparação do seu currículo e dos projetos escolares e amplia seu contato com os profissionais. Com isso, acreditamos na promoção de mais ânimo e engajamento do aluno em suas atividades educacionais.

Qual é a importância da parceria com o Espírito Santo em Ação e do Messes para a implantação desse modelo de ensino?

Além do resultado final, que é a melhoria da qualidade da educação, posso citar como item importantíssimo nessa parceria a economia financeira. Toda formação e material para os professores foram sem custos para o município. Toda a qualificação foi realizada por profissionais especializados, que continuam acompanhando o município até que nossa equipe consiga “caminhar sozinha” com essa metodologia. Acredito muito na educação como ferramenta de transformação e essas parcerias contribuirão bastante com o município nesse sentido.

Como tem sido a aceitação do novo modelo?

Talvez ainda seja muito cedo para avaliar sobre a aceitação geral, mas nesse início vemos tudo de forma muito positiva. Os professores amaram a formação e as famílias também já tiveram um ótimo envolvimento. A equipe da Secretaria de Educação tem percebido uma boa receptividade do novo modelo e a expectativa é das melhores. Queremos muito oportunizar uma aprendizagem eficaz e significativa na vida dos nossos alunos.

A metodologia está presente, a princípio, em duas escolas. Há planos de ampliar para mais unidades da rede municipal?

Sim! Começamos em duas escolas, mas já existe o projeto de contemplar mais uma em 2020. Acredito que o modelo irá crescer à medida em que formos ampliando o conceito de escola de tempo integral.