Projeto analisa o potencial econômico do Estado

Café, minério de ferro, petróleo e granito são algumas das riquezas econômicas produzidas e exportadas pelo Espírito Santo. Por se tratarem de commodities – produtos oriundos do setor primário e de baixo valor agregado -, ficam sujeitas às oscilações do mercado internacional. Com base nesse cenário, a engenharia agrônoma Ludimila Amorim vem desenvolvendo um projeto que visa a analisar a complexidade econômica do Estado e apresentar possíveis caminhos para incrementar o setor de negócios capixaba.

“Queremos tirar um pouco a dependência do Espírito Santo das commodities. A ideia é mostrar outros produtos que sejam capazes de atrair uma cadeia de negócios diversos e, dessa forma, ajudem a flexibilizar a economia do Estado”, explica Ludimila.

Vinda de Ipatinga (MG), a engenheira agrônoma chegou ao Espírito Santo por meio da ONG Ensina Brasil. E foi designada para atuar como professora de Matemática na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio João Crisostomo Belesa, em Porto de Santana, Cariacica. Em um ano no Estado, já percebeu semelhanças com a sua terra natal.

“Vejo algumas semelhanças econômicas entre o Espírito Santo e Ipatinga. Assim como lá, aqui existe uma grande siderúrgica, além de uma fabricante de celulose. Percebe-se uma dependência das commodities combinada a um princípio de diversificação produtiva”, observa.

Para aprofundar o conhecimento sobre o Estado, enquanto o ano letivo não começa, Ludimila vem participando de um período de 20 dias de imersão no Espírito Santo em Ação, onde desenvolve o seu projeto.

“No Espírito Santo em Ação, todo dia especialistas de áreas diferentes vêm conversar com a gente. Estar em contato com representantes de setores de logística, saúde, educação, entre outros, está sendo muito enriquecedor para o meu projeto”, comentou a engenheira agrônoma.