O ano da Educação e Gestão pública do ES em Ação

Disseminação das melhores práticas e ferramentas de gestão que contribuam diretamente para a melhoria da gestão pública. Executar projetos voltados para inovações educacionais, através da promoção de ações para o desenvolvimento humano que contribuam para a compreensão da corresponsabilidade do indivíduo na sociedade. Esses são os objetivos dos comitês de gestão pública e do de educação, do qual Orlando Bolsanelo Caliman é o diretor.

Em mais uma entrevista da série com gestores do movimento empresarial, Orlando aborda as pautas que vêm sendo trabalhadas pelos comitês dentro Espírito Santo em Ação, como por exemplo, a criação do núcleo de educação e o desenvolvimento de uma ferramenta para que poder público e sociedade tenham um canal de diálogo.

O que o senhor aponta como destaque no ano de 2018 na diretoria de Educação e Gestão Pública?

Durante os 6 meses em que estive à frente da diretoria, destaco a expansão da Escola em Tempo Integral para os municípios. Por exemplo, já estamos bem avançados em Cachoeiro de Itapemirim e a tendência é que em 2019 esses projetos se intensifiquem com o nosso núcleo de educação.

Outro destaque é o reconhecimento do Espírito Santo em Ação perante as várias iniciativas de educação no Brasil. Temos recebido feedbacks dos institutos que apoiam nossos projetos, como o Instituto Natura e o Instituto Sonho Grande, para que a gente compartilhe o nosso conhecimento com os outros estados.

Espírito Santo ficou em primeiro lugar no Ideb no Ensino Médio, ao que se deve essa conquista? Temos algo a melhorar?

A conquista se deve ao fato de projetos e iniciativas que foram tomadas até agora, e que estão no caminho certo. Com esse resultado temos a clareza do que deve ser feito. Com as boas políticas públicas e parcerias estratégias, a educação vai evoluir.

Para melhorar é preciso manter as parcerias, trazer conhecimento e formar pessoas. Apoiando o poder público no que for necessário para que a gente vença o principal desafio da educação, que é a aprendizagem.

E para 2019, o que se pode esperar para a área de educação e gestão pública da instituição?

Bom, para o ano que vem, na área de gestão pública, esperamos trabalhar na formatação de um projeto que envolva a formação de lideranças. Tanto de gestores públicos como a de possíveis novas lideranças, no Estado e nos municípios.

Já na educação, estamos com a expectativa da consolidação do núcleo, que terá como objetivo principal a expansão da Escola em Tempo Integral. Além disso, o hub de todas as iniciativas de educação que impactam no nosso Estado. Queremos ser parceiros dos institutos que queiram investir na educação aqui no Espírito Santo.

A ferramenta do Excelência Municipal, que ajuda a impulsionar o desenvolvimento nos municípios capixabas, mudou um pouco o formato, como será essa nova forma?

O projeto está sendo revisado, a ideia de colaboração e participação da sociedade civil na gestão dos municípios, permanece. Mas no próximo ano nossa meta é desenvolver uma ferramenta e uma metodologia que sejam capazes de, efetivamente, proporcionar o diálogo entre poder público e cidadãos para o desenvolvimento sustentável: econômica, social e ambiental, em diversas áreas de interesse da sociedade.