Engenheiro paulista estuda novas fontes de energia para o Estado

A busca por novas fontes de energia é um desafio mundial no século 21. Ciente disso, o engenheiro ambiental Vinícius de Oliveira Lima está desenvolvendo um projeto para repensar a matriz energética do Estado. O objetivo é apontar formas de diversificação no fornecimento de eletricidade para abastecer as cidades capixabas.

“Essa questão é uma preocupação mundial. É preciso buscar outras formas de geração de energia. A demanda elétrica no País é cada vez mais crescente. Então, temos de pensar em formas de obter maior segurança energética. E isso é possível por meio da diversificação da nossa matriz”, destaca Vinícius.

O engenheiro ambiental alerta para o risco de concentrar a solução energética em uma única fonte, como as hidrelétricas, no caso brasileiro. “Se surge algum problema, como uma crise hídrica, corre-se o risco de não haver energia”, salienta. “Há opções disponíveis para garantir a segurança energética, como as fontes eólica, solar e biomassa. Mas é preciso pensar nas soluções para os desafios e entraves que possam surgir para o desenvolvimento desses tipos de energia no Estado”.

Natural de Presidente Prudente (SP), Vinícius é um dos quatro jovens integrantes da ONG Ensina Brasil que está participando, desde o dia 9 de janeiro, de um período de “imersão” no Espírito Santo em Ação para o desenvolvimento de pesquisas.

“Esse período no Espírito Santo em Ação vem me permitindo dialogar com pessoas que atuam na área e têm uma visão de mercado mais clara e ampla. Assim, a pesquisa não se limita ao material encontrado na internet. Também há a possibilidade de ter uma troca de informações com representantes de vários segmentos, o que me ajuda na obtenção de alguns dados”, observa.

O “ensina” – como são chamados os participantes do programa desenvolvido pela ONG – também atua como professor de Física na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Saturnino Rangel Mauro, em Nova Rosa da Penha, Cariacica. E quer utilizar os novos conhecimentos na sala de aula, com seus alunos.

“Quero levar a questão ambiental para dentro da escola, desenvolvendo projetos sobre energia renovável, passando essa minha aprendizagem para os alunos”, planeja Vinícius.