A cada 100 crianças, somente 65 concluem o Ensino Médio no Brasil

A estatística brasileira piora se considerar que do total de 100 crianças que começam a estudar, somente metade, 54 delas, concluem o Ensino Médio sem defasagem até 19 anos.  Este é o tamanho do desafio do país para se conectar à sociedade do conhecimento contemporânea apresentado pelo economista Ricardo Henriques, superintendente do Instituto Unibanco no 1° Educação em Debate promovido pelo ES em Ação, nesta quinta-feira, em Vitória.

O evento reuniu convidados para debater o tema e contou também com a exposição do secretário de Estado de Educação do Espírito Santo, Vitor de Angelo. Para o secretário, Educação é um dos poucos assuntos hoje que todo mundo é a favor. O embate começa quando se discute “o que fazer para melhorar a Educação”.

Ambos destacaram que é preciso acelerar os avanços para garantir uma educação de qualidade para todos que permita o desenvolvimento econômico do Brasil. “Se não mudarmos a trajetória desta velocidade, arrisco a dizer que em duas décadas teremos índices equiparados à África na área de Educação”, alertou Ricardo Henriques.

E os números apresentados refletem a preocupação. Em Matemática, por exemplo, dos quatro níveis aprendizagem do Ensino Médio brasileiro – abaixo do básico, básico, adequado e avançado – 70% dos estudantes estão no abaixo do básico, 27% no básico, 3% no adequado e apenas 1% no avançado. A desigualdade de aprendizagem é enorme, segundo o superintendente do Unibanco.

Jovens do Futuro

O Espírito Santo é primeiro lugar no Brasil no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e o segundo lugar, se considerar somente a rede pública de ensino, com nota 4, 42. A meta definida pelo MEC é chegar a 6 no ano que vem. “Temos que avançar mais rápido para chegar mais longe sem a preocupação obsessiva de qual lugar que vamos ocupar no Ideb. Nosso desafio é o que fazer para dar este salto de qualidade na Educação”, disse.

Um dos gargalos de aprendizagem já identificados é o Ensino Fundamental II. Por este motivo, o programa Jovens do Futuro, desenvolvido pelo Instituto Unibanco com o Governo do Espírito Santo desde 2014, será estendido aos alunos de 8° e 9° ano de todas as escolas estaduais de Ensino Médio que tenham o Fundamental II. O programa é uma metodologia de gestão de qualidade, que prevê planejamento, ação, metas e mensuração de resultados. O programa chega a mais de 90% dos estudantes de Ensino Médio da rede pública estadual.